quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Jornada

Quando acordaste não querias ir. Eu também não. As janelas ficam sempre paradas quando saímos de casa? Sinto pena das minhas janelas tenho saudades delas, quero trazê-las comigo, andar vestida com o tapete da sala, ter as paredes do quarto dentro dos olhos e as cortinas do banho enredadas no cabelo. Quero sair de casa e trazê-la comigo. Isto aqui fora é demasiado violento, as pessoas causam-me ataques de pânico, não é que trema não é que fuja mas apetece-me sempre voltar para casa lá onde está o cheiro da minha pele. E da tua. Enquanto aqui estou neste quadrado que não sou eu estás noutro quadrado que não és tu e no momento em que, pela manhã, as nossas mãos se separam eu sei que vai passar uma vida inteira até voltarmos para casa. Às vezes, nunca mais voltamos.

2 comentários:

  1. A história da minha vida. Acredito que um dia vou perceber estes ataques de pânico..

    ResponderEliminar